Voto obrigatório

É difícil entender como uma democracia pode ter voto obrigatório. O cidadão deve ter o direito não só de escolher seus representantes, como também de decidir se quer escolher seus representantes sem precisar pagar multa ou ir até a Justiça Eleitoral se justificar. A obrigação de votar viola frontalmente uma liberdade individual e a própria democracia, já que na democracia, o poder é do povo e esse poder deve abranger a vontade do indivíduo de participar ou não da escolha de seus representantes.

Poucos países no mundo adotam o voto obrigatório. A maior parte das democracias desenvolvidas adota o voto facultativo. Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Itália, Canadá e tantos outros são exemplos que demonstram que a imposição de votar não combina com um país democrático e é exceção no mundo. Por uma questão que a história explica, a maioria dos países que adota a obrigatoriedade do voto fica na América Latina, um resquício das ditaduras que assolaram a região no século passado. No entanto, falando especificamente do Brasil, já se passaram décadas da queda da ditadura e o voto obrigatório persiste. Depois de tantos anos, nosso país já se tornou uma democracia madura o suficiente para não necessitar mais deste artifício, se é que algum dia precisou. Sinceramente, acredito que o voto obrigatório é uma abominação dentro de um Estado democrático e não deveria sequer existir.

Este tipo de obrigação eleitoral, além de não combinar com a democracia, também atrapalha o desenvolvimento dela. Isto porque a pessoa que não gosta de política, não conhece o sistema e nem os candidatos, dificilmente fará uma escolha consciente, prejudicando a ela mesma e toda sociedade com seu voto sem responsabilidade. O indivíduo que prefere ficar o dia inteiro na praia no dia da eleição, deve ter este direito e não ser obrigado a votar “de qualquer jeito” só para cumprir uma obrigação. A quantidade de pessoas no Brasil que vota só por votar e não tem idéia em quem está votando é enorme e explica um pouco o motivo dos corruptos notórios serem sempre eleitos aqui. Eles estão sempre na mídia, sempre aparecendo para o público e a pessoa que não acompanha a política nacional e não sabe muito bem a razão daquele candidato estar sempre na mídia, vai votar em quem ela “conhece” e vê sempre na televisão e não em quem ela nunca viu na vida. Óbvio que este não é o único motivo da eleição contumaz de políticos notoriamente corruptos no nosso país, mas é uma das coisas que ajudam essas pessoas a ficarem no poder.

A obrigatoriedade de votar para as pessoas que não se interessam ou não têm tempo para conhecer os candidatos, cria uma massa muito fácil de ser manipulada, ainda mais aqui neste nosso cantinho do mapa em que a maioria das pessoas também não tem uma educação básica decente. Prato feito para os corruptos de plantão se perpetuarem no poder. O fim do voto obrigatório poderia acabar com essa massa de pessoas altamente manipulável, tornando o voto geral um pouco mais consciente. Lógico que somente o fim desta obrigação não iria acabar com todas as mazelas eleitorais, seria só um primeiro passo.

A imposição de votar cria um empecilho ao desenvolvimento nacional e ajuda a continuidade da corrupção, que é tão ativa em nosso país. Além de não combinar em nada com democracia e desrespeitar a liberdade individual dos cidadãos. O fim do voto obrigatório é necessário para que o país continue seu caminho de aperfeiçoamento democrático iniciado no fim do século passado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário