As cigarras e as formigas brasileiras

Formigas. As cigarras e as formigas brasileiras
As cigarras e as formigas brasileiras

Na fábula da cigarra e da formiga, esta última trabalha o verão inteiro abastecendo suas reservas para passar o inverno com tranquilidade (junta patrimônio para ter renda passiva). Enquanto isso, a cigarra canta, dança e se diverte sem se preocupar com o amanhã. 


Em um belo dia de verão, as duas se encontram e a cigarra fala para formiga se divertir um pouco, que o inverno está muito longe e não há necessidade de guardar nada, pois há comida em abundância. 

A formiga ouve sua colega falar, mas não concorda e continua seu trabalho incansável de juntar comida e abastecer sua casa. O tempo passa, o inverno chega e a formiga passa sem qualquer dificuldade por ele, enquanto a cigarra sofre com a fome e o frio.


Continua após publicidade:

Na vida real também temos cigarras e formigas, muito mais cigarras que formigas. A grande diferença é que no mundo real, além de dançar e se divertir, as cigarras trabalham (e muito!), mas, como na fábula, não guardam nada para o inverno (desemprego e aposentadoria). 

A cigarra brasileira não pensa muito no futuro, consome (e até se endivida muito para consumir mais) sem se preocupar em abastecer suas reservas para o inverno (ter patrimônio ou renda para esse período). Quando este chega, a cigarra se desespera e é obrigada a baixar bastante seu padrão de vida e, às vezes, passar por necessidade.

Leia Também:

Enquanto a cigarra só gasta, a formiga brasileira poupa tudo o que pode, e mês após mês, ano após ano, constrói um patrimônio que lhe dará uma renda passiva e tranquilidade durante o inverno. Ou seja, se a formiga perder o emprego, pode passar por esse período de dificuldade com certa tranquilidade, pois tem o suficiente para sobreviver à passagem do inverno. 

E quando se aposenta, a formiga costuma ter um padrão de vida mais alto do que tinha na atividade, uma vez que, além da aposentadoria, conta com a renda passiva gerada pelo patrimônio acumulado durante toda uma vida. E, com isso, pode aproveitar esta etapa da vida sem sobressaltos.


Continua após publicidade:


No Brasil, é importante lembrar, a renda do trabalhador costuma cair, às vezes muito, quando ele se aposenta. Isto acontece porque a previdência social é deficitária e tende a ficar cada vez mais deficitária com o envelhecimento da população. Então, para esta previdência continuar provendo a todos, muitas vezes é necessário aumentar a arrecadação (aumentando a idade para se aposentar, por exemplo) ou diminuir os custos (diminuindo o valor real do benefício, por exemplo). 

Desta maneira, a cigarra brasileira tende a ter uma queda no seu padrão de vida ao se aposentar, pois só conta com o benefício previdenciário como renda. Muitas vezes, ela tem até que continuar trabalhando para manter seu padrão de vida até morrer.


Portanto, é muito importante fazer como a formiga da fábula e juntar reservas, construir um patrimônio e ter renda passiva para quando o inverno chegar. Este pode até tardar, mas chega e pode ser uma época de alegria em que a pessoa pode aproveitar a vida (ou de uma mudança com tranquilidade no caso de desemprego) ou pode ser uma época de sofrimento e falta de recursos, que pode levar qualquer um ao desespero.


Compartilhe o texto:


Siga o Pensopinando nas redes sociais:

Facebook. As cigarras e as formigas brasileirasTwitter. As cigarras e as formigas brasileiras

Assuntos que podem te interessar:

Um comentário:

  1. A ideia é justa e correta.
    Mas em tempos de grande dificuldade na economia e carestia absurda, é muito difícil sobrar muita coisa pra poupar.
    Nesse país, ou poucos que podem se dar ao luxo de viver de rentismo são os de classe-média alta, possivelmente herdeiros de bens e patrimônios da família, que não dependem tanto do próprio trabalho. .
    O Brasil é um dos poucos casos do mundo em que a cigarra trabalha como a formiga, e a formiga passa necessidade como a cigarra.

    ResponderExcluir