Ocupação das escolas

Nos últimos dias a ocupação das escolas públicas em São Paulo por manifestantes foi muito comentada pela mídia nacional. O protesto é para que não haja a reorganização da educação publica de São Paulo, conforme anunciado pelo governo estadual. Mas qual seria essa reorganização?

Este é o problema, quase ninguém sabe. O governo estadual, de maneira totalmente equivocada, lançou a reorganização sem explicar (detalhar para a população) quais seriam os benefícios para educação pública paulista (se não houver benefícios, não há qualquer motivo para reorganizar). Grande parte da população só sabe que escolas serão fechadas, mas não sabe qual benefício este fechamento traria (e se traria algum), já que o tema foi muito pouco debatido.

Por outro lado, os manifestantes não querem nem saber se pode ser bom ou não, são contra e ponto final. Possivelmente a grande maioria das pessoas que ocupa as escolas não sabe como será (ou seria) a reorganização, somente não quer e acabou, sem pensar em discutir e debater que deste plano do governo poderia sair algo para o bem da educação.

Como quase todo povo brasileiro, não sei do que se trata esta reorganização que planejou o governo paulista, só sei que escolas serão fechadas e isso é o que os manifestantes se baseiam para serem contrários a ideia. No entanto, o fechamento de alguns estabelecimentos de ensino, por si só, não é o fim do mundo. Se as escolas remanescentes atenderem toda população com mais eficiência, com um melhor ensino, qual seria o problema? O que é melhor, ter cem escolas péssimas ou usar o dinheiro gasto com estas cem e ter sessenta escolas boas? Se toda a população for atendida, o fechamento poderia trazer melhorias para o ensino público.
Repito que não sei se a reorganização pretendida traria esta ou qualquer outra melhoraria ao ensino público, o que sei, é que não houve qualquer debate sobre o plano e isso é muito ruim. Não houve debate no governo, não houve entre os manifestantes e não houve na mídia. O Brasil precisa de menos torcedores de futebol que não querem nem discutir suas paixões e ideologias e mais de pessoas que queiram debater propostas e concretizar o que for melhor para o nosso país.  

Um comentário:

  1. O unico ponto que me vem a cabeca e que poderia ser um problema com a redução das escolas é a distancia que uma criança vai precisar percorrer para chegar até sua escola.

    Com 40 escolas a menos, certamente teremos uma distribuição menor de escolas pela Cidade.

    Acredito que grande parte das crianças que estudam em escolas públicas, precisam ir sozinhas para a aula, pois certamente seus pais trabalham fora o dia todo e certamente transporte escolar não é uma opção.

    Em paises de primeiro mundo, uma criança anda dois quarteirões para chegar em sua escola.

    Qual será a realidade Brasileria?

    ResponderExcluir